Livro: "Amazônia e desenvolvimento sustentável".

A Fundação Konrad Adenauer que pública: "Cadernos Adenauer - traz desta vez o livro: _ "Amazônia e desenvolvimento sustentável". Uma coletânea onde foram convidados sete especialistas para participar da edição dedicada à Amazônia, e tanto pode ser classificada como livro ou periódico, possuindo os dois registros de ISBN e ISNN. Na apresentação do Livro Reinaldo Themoteo (coordenador editorial da fundação no Brasil), comenta que por séculos os recursos naturais das matas brasileiras foram considerados inesgotáveis, mas que na atualidade o grande desafio enfrentado tanto pelo governo brasileiro, como pela sociedade Civil é o de conciliar a preservação dos recursos naturais disponíveis com o desenvolvimento da Amazônia. A questão é como promover o desenvolvimento da região de forma sustentável uma vez que tais recursos são finitos, embora a floresta amazônica seja a maior em extensão, abrigue a maior biodiversidade, e possua a maior reserva de água doce do planeta. Fauna, flora e rios enfrentam sérios e variados ameaças como o desmatamento, a biopirataria, a maior dificuldade de sobrevivência dos povos indígenas entre outras.

O livro foi escrito por sete autores: Claudia Azevedo-Ramos, Paulo Y. Kageyama, Alexandre Aleixo, Marcos Chor Maio e Nemuel da Silva Oliveira, Durbens Martins Nascimento e Elci Camargo. O professor da UFPA/NAEA Durbens Martins Nascimento, trata de questões referentes à defesa da floresta amazônica, que englobam políticas públicas e o Poder Executivo, envolvendo uma perspectiva histórica. Claudia Azevedo Ramos, professora licenciada do NAEA/UFPA, discute o desenvolvimento sustentável da perspectiva da floresta, abordando uma questão fundamental, que é a escolha de um modelo de desenvolvimento para a Amazônia brasileira que leva em consideração a vocação florestal da região, que considere a preservação dos recursos da floresta, além de valorizar a diversidade cultural da região. Paulo Kageyama analisa as contradições entre biodiversidade, biotecnologia e biopirataria, Já Alexandre Aleixo aborda o tema da biodiversidade na Amazônia com um enfoque diferente: a taxonomia ou classificação das espécies por ser importante classificá-las no sentido de se avaliar adequadamente as espécies em uma dada região, de modo a tornar possível dimensionar modos de preservação. Marcos Chor Maio e Nemuel da Silva Oliveira discutem o tema Internacionalização da Amazônia, mostrando que essa discussão não é tão recente, ao tratarem da criação do Instituto da Hiléia amazônica, projeto que foi apresentado à UNESCO no ano de 1946. Eles também citam o antropólogo americano Charles Wagley, cujas pesquisas resultaram na obra Uma comunidade amazônica, com uma visão diferenciada sobre o desenvolvimento na região.

Outro livro organizado pelo Profº Durbens Martins Nascimento foi lançado no dia 09 de junho deste ano, e é o livro "Amazônia e Defesa dos Fortes às Novas Conflitualidades". O organizador do livro é Diretor de Programas e Projeto da PROEX, Durbens Martins Nascimento, coordenador do Observatório de Estudo de Defesa da Amazônia (OBED) e professor do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (NAEA) e do mestrado em Ciência Política da UFPA. Os artigos que o compõe foram apresentados no III Seminário Nacional Fronteira e Defesa na Pan-Amazônia, realizado nos dias 22 e 23 de junho de 2009, em Belém-Pará. Além de artigos do professor Durbens M. Nascimento, os outros autores que integram a coletânea são Aiala Colares Couto (NAEA/UFPA), Alexandre Martins Lima (PPGDSTU/UNAMA), Aurilene dos Santos Ferreira (OBED/NAEA/UFPA), Jadson Porto (UNIFAP), José Cauby Soares Monteiro (IFCH/UFPA), Saint-Clair Cordeiro Trindade (NAEA/UFPA), Sildo Pedro Cordovil (NAEA/UFPA) e Wando Dias Miranda (PPGCP/UFPA. Os estudos apresentados estão direta ou indiretamente ligados ao Programa de Apoio ao Ensino e à Pesquisa Científica e Tecnológica em Defesa Nacional (Pró-Defesa), lançado no final de 2005, e que se encontra em sua segunda versão, 2008, cujo objetivo principal é estimular a formação interinstitucional de redes de pesquisadores com a finalidade de produzir estudos que visem ao fortalecimento do pensamento brasileiro na área de Segurança Internacional e Defesa. Os papers versam sobre temas no âmbito da Segurança Internacional; Fronteira e Condição Fronteiriça; ocupação militar e a construção dos Fortes no século XVII na Amazônia; a tradição geopolítica na Amazônia; sistemas de inteligência/informação para fins de defesa do Estado; Programa Calha Norte; e as redes de narcotráfico ao Norte do Brasil. O organizador espera com a publicação oferecer aos estudantes de pós-graduação, docentes de ensino superior e médio, profissionais que atuam na área de Segurança Internacional e Defesa, autoridades públicas, enfim, a todos que se interessam pelas temáticas inseridas no livro, acadêmicos ou não, um importante instrumento para estudos e pesquisas sobre questões estratégicas, políticas, territoriais, ambientais e sociais que estão no rol da agenda de pesquisa sobre a Pan-Amazônia. edição de julho de 2010.

Também outra obra que fala da Amazônia de autoria do professor e geólogo Norbert Fenzl, do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (NAEA) e José Alberto Machado, Doutor em Desenvolvimento Sustentável e professor da Faculdade de Estudos Sociais da Universidade Federal do Amazonas é o Livro: "A Sustentabilidade de Sistemas Complexos". Se a palavra "sustentabilidade" for colocada no Google, irão surgir no navegador umas 18.900.000 páginas que contém o "termo da moda". Porém, mais do que modismo, a sustentabilidade é apresentada conceitualmente de diferentes formas, assim como a sua aplicabilidade. É esse debate que o livro: "A Sustentabilidade de Sistemas Complexos- Conceitos Básicos para uma Ciência do Desenvolvimento Sustentável, Aspectos Teóricos e Práticos" traz à tona. Para eles, o problema das tentativas de trazer o conceito de sustentabilidade para a realidade, "é a falta de uma matriz teórica que estabeleça conceitos científicos mais claros capazes de unificar a linguagem em torno da questão do desenvolvimento sustentável". Além da sustentabilidade, o livro explica o que é um "Sistema Complexo", exemplificando de maneira clara como esse termo é encontrado em diversas ações da sociedade. Um dos exemplos utilizados no livro são os movimentos sociais, que se mobilizariam por bandeiras "relativamente simples", mas que expressam situações complexas. Assim como nos estudo da biologia. A publicação foi inspirada no Projeto Amazônia 21 e em conferências realizadas pelo Programa de Pós Graduação do Trópico Úmido (NAEA). Os estudos do Amazônia 21, que começou em 1999 e durou até o ano de 2003, foram coordenados pelo cientista Norbert Fenzl. O Projeto sugiu como um grupo de pesquisa, formado por cientistas, alunos da Universidade Federal do Pará (UFPA) e técnicos que se reuniram para realizar projetos financiados por agências de fomento e depois foi incorporando pesquisadores de vários países, como Alemanha, Suécia, Holanda e Venezuela. O livro é dividido em cinco capítulos que mostram o quanto do que é entendido como sustentável, ainda está longe do cerne da questão . Os capítulos são: "O Debate e os Desafios"; "A teoria de sistemas complexos", "Indicadores para um desenvolvimento sustentável", "Metabolismos energético- material e a contabilidade de fluxos materiais". A obra fecha com um estudo de caso, abrangendo a economia brasileira.

Nota: Livro-"A Sustentabilidade de Sistemas Complexos- Conceitos básicos para uma ciência do desenvolvimento sustentável, aspectos teóricos e práticos". Pode ser encontrado na Lojinha/Editoração do NAEA Valor: R$ 30,00

Mais um livro lançado foi o do Professor da UFPA/NAEA Silvio Lima Figueiredo, "Viagens e Viajantes", que foi lançado no dia 20 de maio de 2010, no Espaço São José Liberto, da Editora Annablume, com o apoio do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos. Figueiredo é professor UFPA/NAEA, tem experiência na área de Planejamento Urbano e Regional, Planejamento do Turismo e atuando principalmente nos seguintes linhas: Ecoturismo, Amazônia, Políticas Publicas, Sustentabilidade, e Comunicaçao e Cultura. "Livro baseado na tese de doutorado que foi uma das ganhadoras do Prêmio Mário de Andrade em 2008, promovido pelo MINC/IPHAN e Associação Brasileira de Antropologia.